Posts Tagged ‘Fernando Alonso’

Interlagos: Button vence e Vettel é o mais jovem tricampeão da história, numa corrida caótica.

25/11/2012

Vettel, tricampeão numa corrida maluca.

Sebastian Vettel sagrou-se hoje, neste domingo de tempo oscilante, o mais jovem tricampeão mundial da história. A vitória ficou com o lorde Jenson Button numa corrida loucamente influenciada pelo clima, que mudou a cada 10 minutos, causando reviravoltas e mudanças constantes na tabela de classificação.

O alemão da Red Bull contou com o azar, a sorte, e com muita calma, numa desafiadora escalada em que chegou a estar em último lugar.

Mais tarde eu volto falando em detalhes.

Anúncios

Interlagos: Hamilton na pole, primeira fila prateada, e Alonso torcendo por um cataclisma.

24/11/2012

Lewis Hamilton coloca McLaren na pole. Os protagonistas Vettel e Alonso tiveram uma classificação bem abaixo do esperado.

Eu acho até que já escrevi um post com este título. Mas é a mais pura verdade. A McLaren está sobrando em São Paulo. Lewis Hamilton e Jenson Button formaram a primeira fila prateada, e a concorrência pouco pôde fazer para evitar. Pior para para Sebastian Vettel, que perdendo inclusive para seu companheiro de equipe Mark Webber, ficou com o quarto posto. Mas quem de fato está chateado com o resultado é o outro candidato a tricampeão – Fernando Alonso.

Com dificuldades em diversos pontos a Ferrari ainda não se achou em Interlagos, e a esta altura dificilmente se achará. Alonso, vem tomando tempo de Felipe Massa em vários treinos, o que não é comum, e acabou classificando-se apenas na oitava posição, atrás do brasileiro, quinto.

Bruno Senna teve uma classificação aquém do esperado, e não passou ao Q3, ficando com o décimo segundo lugar. O quase aposentado Michael Schumacher ficou com a posição de número 14 naquela que foi a sua última classificação na carreira. Em entrevista prometeu uma corrida de Schumacher. Alguém deveria ter perguntado – qual Schumacher, o de 94-2006, ou o de 2010-2012? (sacanagem)

Então estamos combinados – Alonso torce para que a chuva, furacões, manada de búfalos e o PCC caiam sobre o autódromo. E Vettel só quer que nada de esquisito aconteça. Veremos, lembrando sempre que Maldonado está exatamente entre Vettel e Alonso no grid, e que Grosjean vem lá de trás. Tudo pode acontecer.

Austin: Hamilton rouba a cena, e Alonso salva um match point.

18/11/2012

Fonte: Autosport.com - A largada para o Grande Prêmio dos EUA, em Austin, inaugurando o belíssimo circuito texano.

E tudo parecia tão simples, tão pronto para Sebastian Vettel faturar o campeonato por antecipação, mas então… Mark Webber ficou pelo caminho. Com este abandono Fernando Alonso, o outro postulante ao campeonato subiu para o terceiro posto, e aí tudo começou a se complicar. Lewis Hamilton também tinha outros planos, perseguiu e ultrapassou Vettel, tomando-lhe a ponta. Este numa demonstração de maturidade soube aceitar a derrota, enfiou a viola no saco, e sabendo que o prejuízo não era lá tão grande assim, aquietou-se.

Fernando Alonso veio em terceiro, mas jamais foi adversário real dos dois ponteiros, assistindo Vettel somar mais 3 pontos à vantagem anterior de 10. A decisão com isso fica para o próximo final de semana, no Brasil. Fernandinho precisa contar com a sorte se quiser o campeonato. Chegar à frente de Vettel não basta. O espanhol tem de bons pontos a mais e torcer por um abandono da Red Bull de número 1.

Felipe Massa, o quarto colocado fez aquela que pode ter sido a sua melhor corrida no ano, escalando o pelotão desde a 11a colocação, passando vários concorrentes na pista, alguns deles em duelos eletrizantes, como aconteceu com Kimi Raikkonen.

Bruno Senna foi outro que brilhou, mostrando bastante combatividade, e uma sensível melhora em seu ritmo também em condições de classificação.

Outro que merece menção honrosa é Jenson Button. Largando com pneus duros, foi o único além de Bruno Senna a tentar um primeiro trecho mais longo, e parece ter conseguido tirar muito mais dos pneus. Subiu na tabela também, com algumas ultrapassagens eletrizantes.

No fim a Fórmula 1 fez uma volta triunfal à terrra do Tio Sam, com uma belíssima corrida num autódromo com A maiúsculo, e pode ser que tenha vindo para ficar. Os EUA merecem a F1, e a F1 merece os EUA.

—————————–

1. Hamilton: uma corridaça do piloto mais inconstante de que me lembro. Assisto corridas de Fórmula 1 assiduamente desde 1989, ainda com 6 anos de idade, e não me recordo de alguém capaz de ser tão brilhante num domingo, e tão fantasmagoricamente opaco no outro. Hamilton foi à caça e passou na pista, com autoridade aquele que será o tricampeão mundial de Fórmula 1, daqui uma semana em Interlagos. Brilhante!

2. Vettel: largou na pole, seguia na ponta, mas em dado momento não teve ritmo para segurar Hamilton. O carro da Red Bull é bom, mas não é perfeito. E as palavras de Hamilton, que de saída atira contra a McLaren são verdade – não tivesse o carro prateado sofrido com tantos problemas mecânicos ao longo do ano, e o real adversário de Alonso e da Ferrari, teria sido Lewis;

3. Alonso: Fernandinho já sabe – só pode contar com a sorte. Em uma semana a Ferrari não vai resolver os problemas que tem. Interlagos pode ser uma pista boa para os carros vermelhos, mas Vettel não precisa virar do avesso para vencer. Com um quarto lugar o alemão campeão de 2010  e 2011 liquida a fatura, independente do que Alonso aprontar. É um problemão, e eu acho que o espanhol não vai ter como descascar este abacaxi;

4. Massa: classificou-se em 6o. Perdeu 5 posições por uma troca de câmbio muy amiga que seu time resolveu lhe dar. A troca o jogou para a posição de número 11. Assim Alonso que estava classificado em 8o, subiu uma posição e partiu na largada do lado mais emborrachado da pista. Imoral, antiético, mas não fere o regulamento. Cada um sabe aonde seu calo aperta, e a Felipe resta uma coisa: andar na frente do espanhol. Nada mais pode alterar sua condição de segundo piloto. E hoje Massa deu um justo cala-boca em todo mundo. Partiu da 5a fila e chegou pertinho pertinho do espanhol, no quarto lugar, sete segundo atrás do colega. Foi muito bom. Mas isso precisa acontecer nos demais 19 finais de semana da temporada;

5. Button: subiu o pelotão inteiro, distribuiu chega-pra-lá em todo mundo e encheu os olhos de quem gosta de ultrapassagens. O gentleman driver está meio arrojado ultimamente. A convivência com Hamilton pode ter-lhe feito bem;

6. Raikkonen: Kimi fez este blogueiro mudar de opinião ao longo do ano. Eu o achava um banana super-estimado. Mas parece que o finlandês é um geniozinho que fala pouco. Já escrevi sobre ele nas últimas semanas. Um dos nomes de 2012, sem dúvidas;

7. Grosjean: já considerei-o um barbeiro, depois um diamante bruto, mas na verdade Romain é um piloto veloz e… burro. As trapalhadas em que se envolve o colocam em posições ruins. Ele teria chegado à frente de Raikkonen hoje. Mas mais uma vez o companheiro de equipe, também muito veloz e mais astuto, levou a melhor;

8. Hulkenberg: este alemão é muito bom piloto. O carro que dirige é um devorador de borracha, mas nem por isso ele desiste. Mais uma vez nos pontos;

9. Maldonado: Pastor teve um final de semana ruim, levando tempo de Senna em quase todas a sessões. Mas no final, e é na corrida que a coisa conta de verdade, chegou à frente, depois de uma acirrada disputa com Bruno;

10. Senna: o primeiro-sobrinho mais uma fez correu de maneira inteligente, e bônus – classificou-se decentemente. Mas levou a pior numa disputa de posições ao vacilar atrás de Hulkenberg. Melhor para Maldonado, que lhe surrupiou o nono lugar;

Vettel na pole, a meio passo do título?

17/11/2012

Vettel e seu capacete inspirado nos vaqueiros do Texas, a caminho do tri.

Sebastian Vettel fez a pole, massacrou o grid inteiro e amanhã pode ser campeão. O seu rival na disputa, Fernando Alonso da Ferrari, teve uma classificação muito abaixo do esperado, e sai em oitvado.

Num final de semana que vem sendo dominado fortemente pela Red Bull a Ferrari está sofrendo horrores para levar seus carros à atingir a temperatura ideal dos pneus e nas duas oportunidades em que seus carros foram a pista, Massa e Alonso deram várias voltas em ritmo lento para só então tentar marcar um tempo no grid.

Azar do espanhol que amanhã parte em oitavo e com Vettel na pole terá de escalar o pelotão. Não chegando no mínimo em terceiro, e com o rival alemão na ponta, Alonso pode esquecer o tricampeonato, e Sebastian virá ao Brasil apenas para passear na semana que vem.

Alonso em 2012, Senna em 1993.

09/11/2012

Senna em Suzuka acenando para a torcida. Sua melhor temporada foi em 1993?

Fernando Alonso também em Suzuka. O espanhol chegou ao auge em 2012? Fernando Alonso provavelmente perderá o duelo contra Sebastian Vettel pelo Campeonato Mundial de Formula 1 de 2012. Duro mas verdadeiro. Entretanto, a despeito do que possa acontecer nas duas etapas que ainda restam, nos EUA e no Brasil, uma coisa é certa: o que o espanhol da Ferrari exibiu neste ano, encontra paralelo direto com algo feito por Ele* em 1993.

Naquele já distante ano, Ayrton Senna corria com a McLaren empurrada pelo motor Ford. O time de Ron Dennis sofria com a adaptação aos menos potentes propulsores da montadora norte-americana.

Ayrton teve então de acostumar-se a tirar do carro o que ele não tinha a oferecer. O brasileiro até então contara com os foguetes preparados pela Honda, e de início percebeu que o duelo contra os carros da Williams-Renault seria cruel.

A equipe rival contava com os serviços do então inimigo mortal de Senna: o francês Alain Prost.

O paralelo com a situação de Alonso em 2012 é evidente: Senna e Fernandinho diante de Prost e Sebastian Vettel são o lado fraco nas suas respectivas disputas quando o assunto foi e é o equipamento disponível.

Entretanto, o espanhol e o brasileiro em 1993 e em 2012 tiveram provavelmente o ano em que exibiram suas mais impressionantes credenciais de talento e inteligência.

Em 1993 Senna liderou boa parte do campeonato, teve performances assombrosas como a acapachante vitória em Dogninton Park, a heróica performance em Interlagos, e os eletrizantes duelos em Silverstone e Kyalami cara a cara com Prost. Naquele ano, embora tenha sido vice campeão, Ayrton beliscou 5 vitórias, quando em realidade não tinha carro para nenhuma delas.

O mesmo pode-se dizer de Alonso. A Ferrari entregou a Fernando um carro imprevisível e ingrato no começo do ano. O acerto era impossível, as reações da máquina às modificações não correspondiam ao esperado, e os carros da ponta impunham ao time vermelho uma astrônomica diferença de quase 2 segundos inteiros em uma volta.

Ainda assim o asturiano mergulhou de cabeça no trabalho, e seguiu catando pontos. Com insucessos dos adversários, e graças a uma seqüência épica e única de 7 vencedores diferentes nas 7 primeiras corridas do ano, Alonso chegou ao quarto final da temporada numa confortável liderança da tabela. A isso, some-se uma evolução ímpar conseguida pelos engenheiros em Maranello, e hoje temos Fernando disputando a o canéco.

Senna liderou o campeonato até a metade, Alonso quase até o final. E ainda que não vençam e levem a taça para casa, em alguns anos, nem sempre o vencedor será o único lembrado.

*Escrevo Ele com maiúscula em alusão aos contornos de divindade com que a mídia e o público brasileiro dão a Ayrton Senna da Silva, um grande piloto, um dos maiores, mas certamente longe de ser infalível e intangível.

Abu Dhabi: Raikkonen vence, mas o show é de Vettel.

05/11/2012

No pódio os 3 melhores pilotos de 2012. O vencedor Kimi Raikkonen, e os que disputam o campeonato, Alonso e Vettel.

O que todos, inclusive eu, acreditavam ser o mais justo a acontecer, aconteceu – Kimi Raikkonen venceu também uma corrida neste ano. Partindo da quarta posição e saltando bem na largada, o finlandês comboiou o pole Lewis Hamilton e com o abandono deste, com problemas de pressão na bomba de combustível herdou a ponta. Daí por diante, soube conduzir a Lotus à bandeirada, apenas sendo incomodado por Fernando Alonso nas últimas voltas. Uma grande exibição de Kimi. Entretanto, a estrela da corrida tem outro nome, conhecido, diga-se: Sebastian Vettel.

O alemão da Red Bull, bicampeão de 2010 e 2011, parece estar mesmo decidido a levar a taça pela terceira vez em 2012. Partindo dos boxes em último em razão de uma desclassificação aplicada pela FIA, o dono do carro número 1 ultrapassou todo mundo e já estava perto da zona de pontuação. Mas um chamado aos pits para trocar pneus e substituir uma asa dianteira avariada fizeram Sebastian despencar na tabela.

E lá veio o rapaz remando de novo para ao final cruzar a linha de chegada em terceiro. Veja bem: Vettel partiu em último, já estava no meio do bolo. Caiu para 21º, e ainda assim conseguiu chegar em 3º. É mole?

Azar de Fernando Alonso. O espanhol pensava ter tirado a sorte grande. Andando na turma da frente, mais uma vez tirava tudo de seu carro. Numa conta rápida concluiu que descontaria uma coleção de pontos do líder da tabela (Vettel), ressurgindo na luta pelo campeonato e com certeza sorriu dentro do capacete. Mas não por muito tempo.

De fato o espanhol da Ferrari chegou à frente de seu oponente na luta pelo título, mas com a exuberante performance de Vettel, o lucro foi pequeno – Alonso descontou apenas 3 pontos da desvantagem que tem. Pois Sebastian, como dito, também foi ao pódio.

Mais atrás uma corrida movimentadíssima, com ultrapassagens, brigas acirradas até um violento acidente entre Robserg e Narain Karthikeyan da HRT.

Foi surpreendente: uma pista insossa e artificial, rendeu uma excelente disputa.

——————————————-

1. Raikkonen: o iceman colocou seu carro e seus pés no lugar mais alto do pódio. Depois de bater na trave algumas vezes a Lotus conseguiu, e o divertidíssimo piloto finlandês mostrou ser um fora-de-série, não apenas por ontem, mas por todo o conjunto da temporada que fez até aqui.

2. Alonso: Fernando poderia ter conseguido mais, em razão do infortúnio de Vettel. Mas dentro de suas possibilidades fez o que estava ao alcance – segundo lugar. Infelizmente para o espanhol, seu oponente é brilhante, e escalou o pelotão duas vezes.

3. Vettel: que aula de pilotagem. Saiu do último lugar para o pódio, e no meio do caminho uma parada nos boxes que o levou ao 21º para subir tudo de novo.

4. Button: o inglês fez uma bela corrida, e protagonizou um duelo em alto nível com Vettel, mas levou a pior. Corrida eficiente mas discreta;

5. Maldonado: quando o venezuelano não bate em todo mundo, normalmente consegue um bom resultado por ser de fato um piloto muito veloz. Foi o caso;

6. Kobayashi: o futuro desempregado da Sauber marcou mais alguns pontinhos. Não será o suficiente para lhe salvar o pescoço, já que Kamui não tem patrocinadores de peso;

7. Massa: outra corrida nos pontos, outro resultado mediano. De contrato novo Felipe segue fazendo o que esperam dele. Mas a primeira metade pífia do brasileiro no campeonato custa caro à Ferrari, que não conseguirá levar o campeonato de construtores;

8. Senna: Bruno é uma lástima em classificação. Em contrapartida é muito bom piloto em corridas. Assim, como sempre poderia ter somado mais pontos, se tivesse largado numa posição melhor;

9. di Resta: outro piloto mediano em classificação, mas que normalmente é muito bom em corridas. Paul fica na Force India para 2013, e vai firmando uma reputação de piloto correto que faz pouca bobagem;

10. Ricciardo: aparentemente é o melhor da dupla da Toro Rosso. Permanece em 2013, e poderá herdar o lugar de Webber nos carros da matriz;